Passar para o Conteúdo Principal
siga-nos
FacebookRSSadicionar aos favoritos

Reabilitação Urbana está a crescer em Santo Tirso

27 Junho 2016
Lmm 1164 1 980 2500

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS URBANÍSTICOS É COMPROMISSO ASSUMIDO DESDE O INÍCIO DO MANDATO

Depois da resolução do imbróglio de décadas do “prédio da vergonha”, situado em frente à central de camionagem, a Câmara Municipal de Santo Tirso vai continuar a apostar na resolução dos problemas urbanísticos do concelho. Resolvido ou em fase de resolução está já um conjunto alargado de processos de licenciamento, alguns dos quais com 30 anos.

“Reabilitar o edificado é um dos compromissos assumidos pela autarquia, desde o início do mandato”. É o presidente da Câmara Municipal, Joaquim Couto, quem constata as medidas de resolução dos problemas urbanísticos espalhados pelo concelho. Com este fim, a autarquia tem em mãos um conjunto alargado de processos de licenciamento, alguns dos quais com 30 anos, que estão a ser resolvidos ou em fase final de resolução.

Santo Tirso, Vila das Aves e Vila Nova do Campo são algumas das freguesias já envolvidas no processo. “O fim do impasse em torno do prédio abandonado junto à Central de Transportes não é caso único. Temos dado especial atenção ao licenciamento de projetos urbanísticos por concluir, espalhados pelos principais centros urbanos do concelho, alguns dos quais duram há décadas”, explicou o autarca em declaração política da reunião de Câmara da passada quinta-feira.

No período antes da ordem do dia, Joaquim Couto apontou o caso de Vilarinho, freguesia onde decorreu a reunião do executivo municipal. Depois da crise do setor têxtil no Vale do Ave, a Zona Industrial de Baiona voltou a ser ocupada e reabilitada por via da atração de novos investimentos empresariais, de grande e média dimensão.

Depois da resolução da mancha urbanística que representava o prédio abandonado à entrada da cidade, Santo Tirso ganha nova vida, já que a requalificação contemplará também a Praça Camilo Castelo Branco. “Essa resolução estava também dependente do projeto de requalificação da Praça Camilo Castelo Branco, cuja obra vai arrancar a breve trecho, com o objetivo de melhorar a circulação rodoviária e a paisagem urbanística daquela centralidade da cidade”, elucidou Joaquim Couto.

Fruto do diálogo e do esforço desenvolvido pela Câmara Municipal junto dos proprietários do edifício e de um investidor, o impasse que se arrastava há mais de 30 anos chegou ao fim, o que vai permitir reabilitar urbanisticamente o prédio inacabado desde a década de 80 do século passado e dar mais dignidade a uma das principais entradas em Santo Tirso.

Entre os aspectos decisivos da negociação estiveram algumas medidas de desenvolvimento económico desenvolvidas pela autarquia. Entre elas, a Área de Reabilitação Urbana de Santo Tirso, que funciona com a atribuição de um conjunto de benefícios fiscais em matéria de IVA e IMI, e o Invest Santo Tirso – Gabinete de Dinamização Económica, que pretende facilitar os procedimentos burocráticos de licenciamento e atrair investimentos para o Município.

Partilhar
ColorAdd Icone